domingo, 10 de julho de 2011

Saudade da minha Mãe


"A saudade é como um pássaro que voa sozinho num pôr do sol."






Querida Mãe,

Hoje é sábado, 02 de julho de 2011. É noite. Dia 20 próximo completará quatro anos e oito meses que você se foi, mas não penso em você neste momento. Estou totalmente concentrado no que estou fazendo.

Encontro-me no escritório da minha casa em frente ao computador dando os últimos retoques em um comentário que vou postar no meu blog amanhã. Sei que, se você estivesse viva, o tema não lhe agradaria (Evolução: teoria ou fato?). Escrevo ao som de músicas instrumentais que fluem de um CD que a Sirley me emprestou.

Agora são exatamente 23 horas e 25 minutos e, repentinamente, me tocam os acordes da segunda parte de uma música cujo título é “Por causa de você”. Não sei explicar o porquê, mas, de súbito, uma enorme saudade de você me envolve e uma profunda tristeza toma conta do meu ser. Não suporto a emoção e, como se eu fosse uma criança que se vê perdida sem os pais, meus olhos se enchem de lágrimas, que rolam pelo meu rosto.

Ah, quanta saudade de você, Maria Carlos! Por que você se foi?

Lembro das nossas conversas todos os sábados à tarde.

Lembro dos nossos encontros nos domingos à noite ao término dos cultos. Não esqueço que você sempre se deslocava do seu lugar e vinha para perto de mim na oração final.

Lembro da sua mão levantada quando o Pastor dava a benção apostólica e, em seguida, você saia da igreja ao meu lado e juntos esperávamos o papai e os outros do lado de fora.

Jamais esquecerei os seus beijos carinhosos e sua mão que afagava o meu rosto nos domingos à noite quando você ia comigo até o portão de sua casa para se despedir de mim.  

Lembro que, quando eu era criança e sentia terrores noturnos, você sempre dizia: Saulo, venha para cá, e eu dormia entre você e o papai. Ali eu me sentia seguro.

Eu não lhe confidenciava todas as minhas dificuldades, porém, estar ao seu lado ou apenas saber que você existia, já era um grande bálsamo nas horas de dor. Como eu precisei de você em momentos difíceis pelos quais passei!

Como eu gostaria de ainda tê-la ao meu lado!

Como eu gostaria de encontrá-la novamente para abraçá-la e beijá-la e conversar com você ao menos cinco minutos!

Lembro que, quando estava no hospital com dificuldades para respirar, você disse a alguém: “Chamem o Saulo, pois ele sabe o que fazer”. Ah, Mamãe, se eu soubesse o que fazer você não teria morrido!

Nunca esquecerei que, nos últimos momentos em que a vi consciente, você se levantou da cama e, fazendo um enorme esforço para respirar, foi até a janela, olhou para o céu e disse: “Deus, por que Tu não chegas?” E Ele realmente não chegou.

Já faz todo esse tempo que você se foi Maria Carlos. O que devo fazer? Absolutamente nada. Apenas conformar-me com a indiferença da natureza.

Hoje, só me restam uma enorme saudade e a tristeza de tê-la perdido. De bom, só o prazer de saber que você foi o veículo que me trouxe ao mundo para desfrutar dessa coisa tão sublime e extasiante que é a vida. Como diz o título da música: “Por causa de você” eu existo.    

Do teu filho que tanto te amou.

Saulo

3 comentários:

  1. Susany Alves de Oliveira10 de julho de 2011 23:53

    Meu irmão, ainda que a saudade traga um sentimento de tristeza pela ausência da nossa Mãe e por tudo que representou nas nossas vidas, e faça rolar lágrimas dos nossos olhos, eu, Sirley e Suylannie, quero sentí-la sempre, para que possa manter a presença da mamãe sempre viva em nós . Sei que ela ficaria muito feliz com sua declaração de a Amor ...Sou grata a você por me proporcionar nesta hora, um pouco da experiência vivida. Um grande beijo e amo você.

    ResponderExcluir
  2. Susy, muito obrigado pelo comentário. Também amo todos vocês.

    ResponderExcluir
  3. Belíssimas e emocionantes palavras. Fez com que as emoções por vezes guardadas viessem aflorar.

    ResponderExcluir